“ACREDITAMOS QUE OS PORTUGUESES NÃO IRÃO ABDICAR DO COMÉRCIO DE PROXIMIDADE”